REAJA contra o genocídio de negrxs no Brasil!

Anúncios

esclarecendo palavras & ideias sobre as diferenças humanas

racismo nao

GOMES, Nilma Lino. Alguns termos e conceitos presentes no debate sobre relações raciais no Brasil: uma breve discussão. In: BRASIL. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Educação anti-racista: caminhos abertos pela Lei Federal nº 10.639/03. Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade, 2005.

MUNANGA, Kabengele. Uma abordagem conceitual das noções de raça, racismo, identidade e etnia. In: BRANDÃO, André Augusto (org.). Programa de educação sobre o negro na sociedade brasileira. Niterói: EdUFF, 2004. Palestra proferida no 3º Seminário Nacional Relações Raciais e Educação – PENESB, Rio de Janeiro, 05/11/03.

A negritude e o universal africano – Geledés

Os múltiplos significados do conceito de “negritude” vistos pelas lentes de três grandes escritores: Léopold Sédar Senghor, Aimé Césaire e Wole Soyinka.

Por Adriano Migliavacca, do Estadão 

O termo “negritude” se popularizou de tal forma no vocabulário brasileiro que acabamos esquecendo que, em seu sentido original, ele ocupa uma posição central em um importante debate filosófico e ideológico do século XX. O fato é que a palavra é daquelas cujo significado é dedutível a partir de sua própria sonoridade: a condição de ser negro ou o sentimento de pertença a esse grupo.

Leia mais em: http://www.geledes.org.br/negritude-e-o-universal-africano/#gs.0Xzgeq0

poesia africana: linguagens da descolonização

antologia mario andrade

 

PROGRAMA LETC50 (20171)

ANTOLOGIA POÉTICA

FERREIRA, Manuel. Dependência e individualidade nas literaturas africanas de língua portuguesa / Da dor de ser negro ao orgulho de ser preto / Negritude, negrismo, indigenismo / Da pertinência ou não pertinência da designação de “literatura negra” / A expressão de uma ansiedade: o caderno Poesia negra de expressão portuguesa / A emergência da intertextualidade afro-brasileira (trecho). In: O discurso no percurso africano I. Lisboa: Plátano, 1989.

BARBOSA, Muryatan. Pan-africanismo: unidade e diversidade de um ideal na Présence Africaine (1956-63). In: CADERNO DE RESUMOS DO XXVIII SIMPÓSIO NACIONAL DE HISTÓRIA Lugares dos Historiadores: Velhos e Novos Desafios. Florianópolis: ANPUH, 2015.

GILROY, Paul. “Anime o viajante cansado”: W. E. B. Du Bois, a Alemanha e a política da (des)territorialização (p.223-233). In: Atlântico negro. Modernidade e dupla consciência. Trad. Cid Knipel Moreira; Patrícia Farias (Prefácio à edição brasileira). 1.ed. São Paulo: Editora 34; Rio de Janeiro: Universidade Cândido Mendes, Centro de Estudos Afro-Asiáticos, 2001.

LEITE, Fábio. A questão da palavra em sociedades negro-africanas. In: Thot África. São. Paulo: Palas Athena, s/d.

MUNANGA, Kabengele. Negritude: usos e sentidos. Belo Horizonte: Autêntica, 2009.

Descolonizando através da diferença literária africana

leopardo Kajama pediu à cegonha Kumbi_LUSONA

PROGRAMA C47 (2017-1)

FERREIRA, Manuel. Dependência e individualidade nas literaturas africanas de língua portuguesa. In: O discurso no percurso africano I. Lisboa: Plátano, 1989.

MOUTINHO, Mário. As bases da ideologia colonial / A justificação da colonização pela negação do indígena / A Imagem do indígena. In: O indígena no pensamento colonial português (1895-1961). Lisboa: Edições Universitárias Lusófonas, 2000.

MATA, Inocência. A literatura, universo da reinvenção da diferença In: A literatura africana e a crítica pós-colonial: reconversões. Luanda: Editorial Nzila, 2007.

CASTIANO, José. Sabedoria tradicional e educação actual. In: HOUNTONDJI, Paulin (org.). O antigo e o moderno. A produção do saber na África contemporânea. Tradução de M. Ferreira, G. Sousa, P. Patacho e A. Medeiros. Mangualde (Portugal): Edições Pedago, 2012.

NOGUERA, Renato. Denegrindo a educação: Um ensaio filosófico para uma pedagogia da pluriversalidade. In: Revista Sul-Americana de Filosofia e Educação. Número 18: maio-out/2012, p. 62-73.