discutindo aplicações pedagógicas da Negritude

 

SEMANA AFRICA LOGO

 

A comunicação resumida a seguir será apresentada por mim na VII Semana da África, estando agendada para a Sessão 4 (ENSINO DA HISTÓRIA DE ÁFRICA E DESDOBRAMENTOS DA LEI 10.639/03), a ocorrer na sexta-feira (24/5), das 10h00 às 10h45, na Sala 1 do Centro de Estudos Afro-Orientais. Transcrevo também os poemas que pretendo brevemente analisar.


A POESIA DA NEGRITUDE COMO MATERIAL PEDAGÓGICO INTERCULTURAL: DELINEANDO “AFRO-HORIZONTES OXUMARESCENTES” PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA LEI 10639

Resumo:
No Brasil, a palavra negritude é utilizada como um suplemento de autenticidade para identificações negras, geralmente atribuído a sujeitos ou projetos coletivos nos quais se ressaltem a corporeidade “negona”, a politização ostensiva, ou o domínio sobre patrimônios culturais designados como afro. Não é comum, entretanto, encontrar um afrobrasileiro que inclua nesse patrimônio o movimento literário-filosófico protagonizado por artistas oriundos da África e da Diáspora na França da década de 1930, e no bojo do qual foi inventada a palavra négritude. Tratando-se, aparentemente, de uma referência de cunho erudito, não se pode menosprezar as implicações desse apagamento para a produtividade semântica do vocábulo negritude no imaginário brasileiro, induzindo à desconexão com as forças criativas que o forjaram e os textos que a ele se articularam. Mesmo restritos aos circuitos intelectuais, os valores da Negritude exerceram ponderável influência na modernização da cultura e da poesia afrobrasileiras. Nas literaturas de São Tomé e Príncipe, Moçambique e Angola, por sua vez, a perspectiva negritudinista disseminou-se largamente, incorporada a discursos poéticos investidos na emancipação cultural e subjetiva frente ao racismo colonial português. Pouco conhecida no Brasil, essa produção enriquece um corpus de textos que, a meu ver, precisa ser estrategicamente integrado aos programas pedagógicos baseados na lei 10639, objetivando deslocar vieses essencialistas para histórias e identidades negras, bem como disseminar as propostas diferenciais de humanismo e alteridade que a Negritude inspira. Nesse sentido, comentarei imagens selecionadas em poemas de autorias africanas e brasileiras, ressaltando os aprendizados interculturais que eles podem promover.

Palavras-chave: Negritude; Interculturalidade; Literatura Comparada.


oxumare_by_oradine 

OFÍCIO DE FOGO E ARTE

[Cuti]

nossa é esta saga desenhando o silêncio em cores
rebeldia e incenso

ainda que as batalhas
tenham talhado de tão somente vermelho
lembranças de mar e terra
nosso é este futuro entre luz e sombra
este alto-relevo telúrico
agigantando-se no esboço de todas as madrugadas e no mosaico das tardes

em ondulação muscular galopam as tintas
ao comando de corações pensantes
enquanto gritos vão-se fazendo cantigas sábias
de ninar a memória e seus pincéis incandescentes

se ácidos céus de aço abafam a singela respiração onírica
um afro horizonte reabre seus vitrais
oxumarescendo a vida

nos cios dos séculos
banzaram aguadas lacrimais de anil
agora a mais sutil semelhança epidérmica da história
é linha que realça o elo
do mistério
ousadias de gingar o belo e semear vagalumes sobre as
telas

oceânica
esta energia coletiva extrapola a cena de naturezas-mortas
transfigura a moldura
colore a parede branca
e mergulha em vários planos a perspectiva de seus voos

verdeamarelas garatujas velhas ranzinzando a liberdade
a mão infinitiza em multiplicidade cromática, pele e
paisagem de sobejos desejos

tudo se emprenha de um incessante movimento
vários tons de melanina e a pulsação de um ritual aceso.

 

servilleta-decorada-etnica-corazon-africa2

CORAÇÃO EM ÁFRICA

[Francisco Tenreiro]

Caminhos trilhados na Europa
de coração em África.
Saudades longas de palmeiras vermelhas verdes amarelas
tons fortes da paleta cubista
que o Sol sensual pintou na paisagem;
saudade sentida de coração em África
ao atravessar estes campos de trigo sem bocas
das ruas sem alegrias com casas cariadas
pela metralha míope da Europa e da América
da Europa trilhada por mim Negro de coração em África.
De coração em África na simples leitura dominical
dos periódicos cantando na voz ainda escaldante da tinta
e com as dedadas de miséria dos ardinas das cities boulevards e baixas da Europa
trilhada por mim Negro e por ti ardina
cantando dizia eu em sua voz de letras as melancolias do orçamento que não equilibra
do Benfica venceu o Sporting ou não
ou antes ou talvez seja que desta vez vai haver guerra
para que nasçam flores roxas de paz
com fitas de veludo e caixões de pinho;
oh as longas páginas do jornal do mundo
são folhas enegrecidas de macabro blue
com mourarias de facas e guernicas de toureiros.
Em três linhas (sentidas saudades de África) —
Mac Gee cidadão da América e da democracia
Mac Gee cidadão negro e da negritude
Mac Gee cidadão Negro da América e do Mundo Negro
Mac Gee fulminado pelo coração endurecido feito cadeira eléctrica
(do cadáver queimado de Mac Gee do seu coração em África e sempre vivo
floriram flores vermelhas flores vermelhas flores vermelhas
e também azuis e também verdes e também amarelas
na gama polícroma da verdade do Negro
da inocência de Mac Gee) —;
três linhas no jornal como um falso cartão de pêsames.
Caminhos trilhados na Europa
de coração em África.
De coração em África com o grito seiva bruta dos poemas de Guillén
de coração em África com a impetuosidade viril de I too am America
de coração em África com as árvores renascidas em todas estações nos belos poemas de
                                                                                                                                      [Diop
de coração em África nos rios antigos que o Negro conheceu e no mistério do Chaka-
                                                                                                                                 [Senghor
de coração em África contigo amigo Joaquim quando em versos incendiários
cantaste a África distante do Congo da minha saudade do Congo de coração em África.
De coração em África ao meio dia do dia de coração em África
com o Sol sentado nas delícias do zénite
reduzindo a pontos as sombras dos Negros
amodorrando no próprio calor da reverberação os mosquitos da nocturna picadela.
De coração em África em noites de vigília escutando o olho mágico do rádio
e a rouquidão sentimento das inarmonias de Armstrong.
De coração em África em todas as poesias gregárias ou escolares que zombam
e zumbem sob as folhas de couve da indiferença
mas que têm a beleza das rodas de crianças com papagaios garridos
e jogos de galinha branca vai até França
que cantam as volutas dos seios e das coxas das negras e mulatas de olhos rubros    como carvões verdes acesos.
De coração em África trilho estas ruas nevoentas da cidade
de África no coração e um ritmo de be bop be nos lábios
enquanto que à minha volta se sussurra olha o preto (que bom) olha um negro (óptimo),
                                                           [olha um mulato (tanto faz) olha um moreno (ridículo)
e procuro no horizonte cerrado da beira-mar
cheiro de maresias distantes e areias distantes
com silhuetas de coqueiros conversando baixinho à brisa da tarde.
De coração em África na mão deste Negro enrodilhado e sujo de beira-cais
vendendo cautelas com a incisão do caminho da cubata perdida na carapinha alvinitente;
de coração em África com as mãos e os pés trambolhos disformes
e deformados como os quadros de Portinari dos estivadores do mar
e dos meninos ranhosos viciados pelas olheiras fundas das fomes de Pomar
vou cogitando na pretidão do mundo que ultrapassa a própria cor da pele
dos homens brancos amarelos negros ou às riscas
e o coração entristece à beira-mar da Europa
da Europa por mim trilhada de coração em África;
e chora fino na arritmia de um relógio cuja corda vai estalar
soluça a indignação que fez os homens escravos dos homens
mulheres escravas de homens crianças escravas de homens negros escravos dos homens
e também aqueles de que ninguém fala e eu Negro não esqueço
como os pueblos e os xavantes os esquimós os ainos eu sei lá
que são tantos e todos escravos entre si.
Chora coração meu estala coração meu enternece-te meu coração
de uma só vez (oh órgão feminino do homem)
de uma só vez para que possa pensar contigo em África
na esperança de que para o ano vem a monção torrencial
que alagará os campos ressequidos pela amargura da metralha e adubados pela cal dos
                                                                                                                    [ossos de Taszlitzki
na esperança de que o Sol há-de prenhar as espigas de trigo para os meninos viciados
e levará milho às cabanas destelhadas do último rincão da Terra
distribuirá o pão o vinho e o azeite pelos alíseos;
na esperança de que às entranhas hiantes de um menino antípoda
haja sempre uma túlipa de leite ou uma vaca de queijo que lhe mitigue a sede da existência.
Deixa-me coração louco
deixa-me acreditar no grito de esperança lançado pela paleta viva de Rivera
e pelos oceanos de ciclones frescos das odes de Neruda;
deixa-me acreditar que do desespero másculo de Picasso sairão pombas
que como nuvens voarão os céus do mundo de coração em África.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s